Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

28.Mai.18

Tertulianismo

IMG_20180527_093944.jpg

IMG_20180527_093915.jpg

 

Não chegam todos ao mesmo tempo, despontam a intervalos irregulares no recinto de jogos da Pensão Residencial Lírios, trazem segurando nas mãos, sacos ou mochilas contendo no interior o equipamento com que irão disputar o jogo. As equipas técnicas de ambos os conjuntos são as primeiras a chegar para preparação do recinto de jogo, em simultâneo espreitam e apuram o que ocorre dentro dos tachos e panelas. A meio da manhã dá-se início ao treino, um aquecimento composto pelo exercício, este ainda sem o equipamento na sua totalidade, de avaliar umas sardinhas apoiadas em fatias de broa de milho. Logo aí cada atleta exercita-se com meia dúzia ou mais deste popular peixe, para  evitar a desidratação, bebe-se vinho fresco e cerveja, com moderação. No interior das panelas e tachos, continua a acontecer o que se irá disputar. Perto das treze horas e quando todos os atletas estão presentes, encaminham-se para o espaço do jogo. O árbitro auxiliado por dois fiscais de linha apita para se homenagear durante um minuto os atletas que partiram para representar as equipas celestiais em jogos, duma Liga Suprema. Volta-se a ouvir novamente o apito para dar início ao jogo, as equipas técnicas aproximam-se com o que serve para jogar, os atletas com pratos, copos e talheres (equipamento) principiam a partida, a quincoagésima terceira, jogam ainda um a dois jogadores desde o primeiro embate. As vozes duns e outros aumentam de tom com a continuação do jogo, aí as histórias são as protagonistas algumas recentes, até novidades, outras mais antigas, às vezes ouvem-se as mesmas todos os anos, mas é sempre uma delicia ouvi-las, são partilhas que ficam nas memórias destes atletas. Uns são pais e filhos, ou avôs e netos, até pais filhos e netos, é assim à cinquenta e trés anos, aquando o início deste acontecimento. Jogou-se em lugares diferentes,  num fontanário, em São Lourenço entre os pinheiros, noutros locais em alternativa à incapacidade originada pela mãe natureza, nos últimos anos a estabilidade veio para ficar no local actual. Após o fim da primeira parte e bem jogados, bebe-se café e uns atenuantes para relaxamento da bolsa onde são revolvidas as substâncias do jogo, passa-se a uma tarefa administrativa entre as equipas técnicas para divulgação das outras duas que ficarão de preparar o jogo do próximo ano. De seguida o segundo tempo de jogo, o mais extenso, provoca geralmente lesões nos atletas das duas equipas, naturalmente os mais bem preparados vão mais tempo a jogo que os outros cuja preparação é menor ou quase nenhuma. Não há memória de uma união tão longa!

28.Mai.18

Abrantinos e forasteiros

IMG_20180528_113915.jpg

IMG_20180528_113901.jpg

 

Estacionado na biblioteca ambulante na parte superior da aldeia da Bairrada, onde as viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra me trouxeram, a ramagem do arvoredo oscila de um lado para o outro. Lá em baixo o rio teima em esvaziar as suas barrigas de água. Mais alguns dias e o calor instala-se definitavamente na  estação que lhe pertence, os refúgios aprazíveis das  suas margens, necessitam que a água perca influência, para que surjam as praias fluviáveis. Nelas os abrantinos e forasteiros irão passar horas de lazer, aproveitando o sol e a calmaria da água temperada, livrando-se da fadiga dos dias de trabalho. Na profundidade das águas nadam saudáveis espécies de peixes, muitos deles acabando nas grelhas dos assadores que os cozinham, provocando inúmeros convívios gastronómicos.

25.Mai.18

Acolhidas

IMG_20180525_153043.jpg

IMG_20180525_153046.jpg

 

IMG_20180525_153019.jpg

 Quanto mais próximo do meu destino, em sentido contrário, mais próximo de mim vêm as nuvens negras, anunciadoras de chuva. No Largo do Rossio, na aldeia de Martinchel, junto da estrada que a atravessa, onde o trânsito não dá tréguas ao asfalto, estacionada a biblioteca ambulante, de portas abertas, promove as suas histórias, acolhidas em brochuras e encadernações dos livros que transporta.