Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

IMG_20210521_144423_385.jpg

Nas Sentieiras sabiam da chegada da biblioteca ambulante, a travar a marcha na íngreme descida, antes de estacionar defronte do Mercadinho da Fonte, no mesmo sentido, uma leitora segurava um saco contendo histórias para devolver. O entusiasmo por poder levar outras estava estampado nos olhos, e  um diálogo empolgante para  o viajante das viagens e andanças. As pessoas ao dirigirem-se ao mercadinho, aproximaram-se, com saudações animadas. A biblioteca ambulante deixou desamparos, mesmo naqueles que não lêm, têm gosto que esteja na aldeia, retira-a do anonimato. 

IMG_20210520_160841_668.jpg

Verão prematuro, campos arroxeados, leitores incomunicáveis, é a tarde possível na aldeia da Lampreia nas viagens e andanças. Só a mensagem por voz permitiu ao viajante das viagens e andanças, informar da paragem da biblioteca na aldeia. Na Casa Branca, aldeia seguinte, a música cigana retumba de tal modo do interior de um automóvel que abafa qualquer som ao redor. O sol está violento, é um reaprender das viagens consoante as deliberações dos elementos, há dias em que a agressividade natural provoca reflexões. Vêm, não vêm, é sempre assim de manhã ou de tarde nas aldeias, quando há sentido, objectivos e teimosia, as consequências são sempre positivas. Gosto das pessoas, da humildade, com a vivência incorporo o método, os costumes, consigo chegar a eles. Não foi fácil, só com muitas visitas começam a confiar nas histórias, habituam-se, depois usam-nas, ou descartam-nas. São sempre bem vindos. 

19 Mai, 2021

Só quero....

IMG_20210519_115657_370.jpg

Aldeia do Mato foi a primeira aldeia de hoje a ser favorecida com a presença  da biblioteca ambulante. Junto da fonte, onde a água não deixa de correr na bica, a conversa animada, convidou o viajante das viagens e andanças a permanecer um pouco, ouvindo as notícias de um lugar onde há muito não estava presente. Uma história ficou logo ali, outras ficarão nas próximas visitas, a informação correrá depressa, de casa em casa. Na Abraçalha de Baixo, quem se aproximou das histórias, ficou contente, pela primeira vez têm a influência da biblioteca ambulante. Houve quem dissesse que tem em  casa muitos livros do Círculo de Leitores, ou a telefonar aquele, ao outro a dar a boa nova. Agora em Martinchel, aproveitando a sombra da tília, a corrente de ar fresco que entra e sai rapidamente, como uma ventoinha, só quero que as histórias tenham sucesso. 

IMG_20210518_154400_388.jpg

Uns fazem vista grossa à biblioteca ambulante estacionada no largo do Cabrito, mas também há os que se aproximam, para se afastarem logo depois, a curiosidade é real. Sentados nas esplanadas bebem o café, olhando de longe a carrinha, causadora da bisbilhotice. Dobram o corpo, esticam o pescoço, falta o mais difícil, levantarem-se e dirigirem-se para as histórias. Estas muito aflitas, não sabem o que lhes espera, se continuam nas estantes, se há quem as leve. São também as incertezas do viajante das viagens e andanças. 

18 Mai, 2021

É o destino...

IMG_20210518_142906_790.jpg

A manhã sorriu, depois deixou de revelar a satisfação demonstrada, quando todos nós iniciavamos o dia. Foi com alegria que as viagens e andanças com letras partiram para a estrada em direção à aldeia do Vale das Mós. Alguma actividade nos campos que ladeiam a estrada nacional n°2 , não só leva quem se dirige para sul, mas permite que as histórias na biblioteca ambulante cheguem a casa dos leitores destes lugares. Conduzir enredos ao longo das planícies, observar os animais pastando, cegonhas a perseguir máquinas agrícolas a rasgar a terra com as suas lâminas afiadas. Arriscar, apostar na leitura, nas pessoas, fazer acontecer, é o destino do viajante das viagens e andanças. 

17 Mai, 2021

Vão e voltam....

IMG_20210517_112332.jpg

Por momentos perdi o conhecimento onde estava a conduzir a biblioteca ambulante, na estrada em direcção à aldeia do Vale de Açor, nas viagens e andanças. A paisagem modificada pelo abate de eucaliptos numa extensa área, retirou-me a orientação. Logo depois o destino foi reconstruído, no tempo passado, a estrada ladeada por estas agigantadas árvores, transmitia solidariedade e aconchego, a quem transitava. Actualmente é uma planície devastada, onde partes lenhosas e raízes, aguardam pela remoção. O terreno não estará muito tempo despido, voltarão as máquinas a esventrar a terra, novos socalcos se formarão, plantas jovens repostas, num abrir e fechar de olhos crescerão, e voltará a estar tudo como dantes. São como as histórias, vão e voltam, nas aldeias alcançadas pela biblioteca ambulante. 

14 Mai, 2021

Uns sabem ler...

IMG_20210514_165853.jpg

IMG_20210514_165827.jpg

IMG_20210514_165811.jpg

IMG_20210514_165741.jpg

 

IMG_20210514_194455.jpg

Uns sabem ler, outros não, alguns não se lembram e há aquele que não foi à escola, mas sabe ler, não fosse um tio que o puxava no fim de um dia de trabalho para o ensinar a ler e a escrever. Histórias de vida, histórias de estimular, acontecem na aldeia de S. Facundo, a leitura e a sua magia de pôr a ler gente que quase nunca lê.