Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

12.Dez.19

Aguardam a chegada das histórias

IMG_20191212_163615.jpg

 

Uma densa cortina de água ofusca o largo na aldeia  da Concavada, nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Parece desabitado, pior ainda, abandonado, as folhas que se soltam das árvores vagueiam empurradas pelo vento. Com o decorrer da duração da presença da biblioteca ambulante, o viajante das viagens e andanças, acostuma-se, a sua vista alcança umas luzes de cores verdes, encarnadas e amarelas piscando no interior do Café do Largo. Afinal há vida neste espaço, onde as janelas com persianas fechadas das casas que rodeiam o largo mentem às histórias, que vêm ao encontro dos aldeões. A esperança hoje é desprovida de qualquer aproximação de leitores, os frequentadores do café nunca arriscaram entrar na biblioteca ambulante, preferem outros modos na ocupacação do tempo livre. Os outros não querem enfrentar o temporal, a chuva está mais intensa, a noite começa a lamber a tarde, e o estalar do lume nas lareiras conquistou quem lê. A aldeia do Pego e os seus leitores aguardam a chegada das histórias.

2 comentários

Comentar post