Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

IMG_20200103_163427.jpg

 

Finalmente o sol está nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, os rostos sorridentes manifestados nas pessoas logo de manhã trouxeram motivação para outro dia cheio de histórias. No sentido contrário ao do rio Tejo, numa curta boleia da A23, a biblioteca ambulante sai rumando à aldeia da Concavada sem acontecer coisa nenhuma, estacionou na aldeia da Ribeira do Fernando. O José sentado numa mesa do café do qual é proprietário, ergueu-se subitamente quando o viajante das viagens e andanças entrou, foi certo no seu passo à história que esperava ser devolvida, no dia em que a biblioteca voltaria à aldeia. A porta grande abriu-se para permitir o acesso deste leitor, não demorou a encontrar a história que o seduziu, durante este mês voltará outra vez a ter a possibilidade de obter mais histórias. No Monte Galego as chaminés das casas libertam os primeiros odores de lenha a ser reduzida a cinza nas lareiras, depois de um dia acolhedor, onde o campo cobiça a caminhar nas planícies verdejantes. Em Alvega a temperatura simpática ausentou-se, apressada e sem avisar, a pedir uma bebida quente. É isso que o viajante das viagens e andanças faz, bebendo um chá preto Orange Pekoe (folha solta) da Gorreana, oriundo da plantação mais antiga da Europa, na ilha de S. Miguel nos Açores. A história que o acompanha nestes últimos dias continua ainda com mais sabor e ardor.