Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

22.Ago.19

O mesmo propósito

IMG_20190822_150957.jpg

IMG_20190822_171459.jpg

Numa estufa, com o céu pontilhado por nuvens e fundo de um azul desfalecido, a biblioteca ambulante com as histórias ruma no sentido da aldeia da Água Travessa nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Com palavras refrescantes na dianteira, interrompo extemporâneamente a viagem, o "Carvoeiro" vagaroso rasga a EN2 com destino a Sines, diáriamente pouca terra para cá, pouca terra para lá. É assim desde os meados dos anos oitenta, abstecendo a Central Termoeléctrica do Pego com o carvão a gerar energia. No início do planalto, pouco antes de penetrar na aldeia de Bemposta (sede de freguesia), a cor vermelha dos pimentos anuncia que está para breve a colheita dos mesmos, ainda é uma extensão considerável. Mais à frente é alcançado o território onde sobreiros e carvalhos são dominantes, aqui sinto-me confortável, é uma terra mais rude, mas espaçosa e plana, as pessoas são as mesmas como as dos outros lugares visitados pelas histórias, mas há outras diferenças, os seus rostos têm sulcos,  semelhantes á terra que pisam. Trabalham a terra ainda o sol dorme, chegam aos lares com a tarde abrigada entre o vermelho e o amarelo, extenuados carregando as mochilas onde repousam marmitas esvaziadas. As caras ainda encarnadas,  da exposição directa sob acção dos raios flamejantes do sol mostram que não é fácil, alguns aliviam a garganta com uma cerveja fresca no café logo ali, combinam horários, nem sempre o trabalho é o mesmo. A terra é que manda, hoje pimentos, amanhã a courgete, depois a cortiça, assim andam durante o ano, alternando culturas e patrões. As histórias, ora uma aldeia ora um lugar, tendo leitores com as suas desigualdades mas o mesmo propósito, a leitura.