Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

IMG_20191218_154648.jpg

IMG_20191218_170517.jpg

 

A depressão Elsa mostra a sua tendência para os próximos dias nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Um céu escuro com vento à mistura recebeu a biblioteca ambulante na aldeia do Monte Galego. Só o José enfrenta o distúrbio meteorológico, tudo para não perder uma boa história que o acompanhará nas noites frias. Segundo diz, ainda encara as oliveiras com a mesma atitude do início, já passou mais de um mês e a azeitona não se esgota. A conversa girou ao redor dos lagares, do preço por quilo da azeitona quando entregue no lagar para ser esmagada e fazer correr o líquido dourado. O viajante das viagens e andanças além de dar acesso ao conhecimento, também passa a entender sobre o quotidiano rural, o trabalho, como se faz, quais os períodos para plantar e semear, para colher, as estratégias para combater as maleitas que afectam árvores, frutos e legumes. É tão complicado como qualquer outro ofício por mais letrado ou científico que seja, e não se esvazia, há sempre pormenores para patrulhar, e corrigir quando necessário. Ao chegar a Alvega, a chuva perde a insegurança e atira-se, no largo com receio que a quadra os visite sem se aperceberem, inflamaram precocemente a madeira. As histórias seguras do que preservam, ficam no lugar sem muita esperança que um qualquer leitor surja.

1 comentário

Comentar post