Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Poeta maldito

11403084_10204235719761340_1835759665071779636_n.j

11391210_10204235720201351_1196720848472737899_n.j

11390355_10204235720361355_6325980964953211012_n.j

11390269_10204235720481358_4329935601148206377_n.j

11427678_10204235720681363_1831117479278212171_n.j

 

Mais uma tarde nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, o calor libertado pelo astro rei sufoca quem percorre este território. Na aldeia da Concavada nasceu António Botto em 1897, filho de uma família de escassos recursos, seu pai foi mestre de barcos no rio Tejo, indo ainda pequeno viver para Lisboa. Poeta maldito, assim julgado à época, pelas suas atitudes e comportamentos desviantes para uma sociedade excessivamente religiosa e maioritariamente analfabeta. Veio a falecer no Brasil, vitíma de um atropelamento em 1959. Os seus restos mortais, só em 1965 chegaram a Portugal, sendo sepultado numa gaveta funerària no Cemitério dos Prazeres em Lisboa.