Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Num dos confins do território das aldeias da minha terra, a biblioteca ambulante com as portas abertas tenta a sua sorte, na eventual presença de algum leitor. Adiante, o limite da região das viagens e andanças impede as histórias de irem mais além. A fronteira é uma linha imaginária, os automóveis aproximam-se oriundos dessa linha, outros dirigem-se na sua direcção. A escrita não tem fronteiras, as palavras disseminam-se como a tinta derramada de um tinteiro, deixando a (...)
A manhã está fria, o sol vai e vem, num jogo de escondidas com as nuvens. Nesta brincadeira de crianças, a chuva é uma concorrente cada vez mais forte e tem possibilidade de ganhar. A água é gelada ao atingir o meu rosto e as mãos, como é possível, uns dias atrás usarmos roupa de verão, e hoje trajarmos agasalhados.  Está tudo virado ao avesso, ou andamos a ler a história ao contrário. Neste tempo intranquilo, não há melhor do que visitar as aldeias da minha terra, não (...)
A neblina esbateu o início das viagens e andanças, como se um lápis a carvão cobrisse levemente a manhã. Não demorou muito ao desenhador, vincar o brilho à obra, tornando-a mais alegre, com cores de fazer arregalar o olhar do bibliotecário da biblioteca ambulante. As cegonhas batem o bico, fazendo saber às outras da presença das histórias. Não sei se é por receio, ou curiosidade, de ficarem para sempre presas nas páginas das histórias, ou quererem fazer parte das mesmas, (...)
30 Jan, 2024

Viajar assim ...

Há sempre uma história no canto, num recanto, ou qualquer lugar onde ninguém experimentou explorar. A acessibilidade não é problema, qualquer leitor pode alcançar histórias em locais pouco frequentados. Foi o que a leitora fez, as suas mãos, habituadas a mexerem na terra, descobriram as sementes que desenvolvem o conhecimento. Tem uma assiduidade regular, a leitura é a sua companhia nos momentos de intranquilidade ou mesmo de alguma inquietação. Fossem assim todos os leitores, (...)
O rebanho, com as ovelhas colocadas umas seguidas às outras, acompanha o trilho a uma clareira rodeada por grandes sobreiros. As primeiras a chegarem estão com o focinho fixado na erva molhada que  ocupa o espaço junto à estrada que dirige a biblioteca ambulante na direcção da aldeia da Foz. Observei a sofreguidão dos animais a devastarem a  pastagem,  uma página enorme onde as letras sumiam umas atrás das outras. Tal não era a voracidade empregada na leitura, (...)
Plantam-se cebolas na horta, seduz-se na biblioteca ambulante as pessoas a estabelecerem-se como leitoras. Numa e noutra dão-se esperanças, alimentos que trazem vigor e aberturas num horizonte desconhecido. Escreve-se na terra as palavras manteúdas, lêem-se na biblioteca ambulante outras pelas quais nos viciamos. Ambas promovem a evolução, o recomeço, a paisagem de um lado e outro da estrada está cheia de uma nova vida a despontar. As crias recém nascidas nos rebanhos não (...)
O dia não trouxe nada de novo, nem o vento com os murmúrios  mais acesos consegue agitar a parda manhã. O café na única rua da aldeia é o local de reunião das pessoas que desafiam a chuva, quem  surge vem com passo apressado e molhado, a inutilidade do guarda-chuva é visível, apesar de o trazerem. Inicio de semana com despedidas e aspirações de um bom Natal e um Novo Ano cheio de tudo de bom. Os sorrisos estiveram presentes, as lágrimas surgiram sem esperar, de quem perdeu (...)
Foi a mandriar que o sol se levantou, o rio lançava vapores confundindo os mais distraídos que o atravessavam na ponte para além Tejo. No campo, sob as oliveiras os panos verdes recebem azeitonas expulsas pela violência das varas a bater na ramagem, homens e mulheres, corcovados, apanham  os bagos pretos. Segundo estes sábios, não está a ser um ano de muita azeitona, a pouca que resistiu a um ano difícil desenvolveu-se com as últimas chuvas, subitamente ficaram mais volumosas. (...)
A chuva tarda em efectuar um intervalo para que os leitores possam sair das suas casas para optarem das várias histórias na biblioteca ambulante. O som permanente da água a despedaçar-se no tejadilho é ensurdecedor neste dia mundial da Terra, um pacto como tentamos fazer com o planeta seria bom neste momento com a chuva. É importante que os leitores, as pessoas da aldeia venham à biblioteca ambulante, a troca de informação oral, a leitura dos jornais e revistas, notícias novas, (...)
  Branco mais branco não há, o silêncio gelou nos lugares onde os braços do sol não penetram. A passagem da biblioteca ambulante onde o tempo atravessa devagar os dias, deixa um traço de informação. Quem se aproxima e mata a curiosidade na fonte, sai esclarecido, mais agasalhado para o que ainda vem aí. Mas a perda do sossego em virtude do organismo que não nos quer deixar em paz, encerra as pessoas nas suas casas. Afastadas não podem usar as histórias, fugir do presente, (...)