Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paul Auster

26.Jul.20

Vindo não sei de onde

historiasabeirario
  O vento despertava a água, injuriada formava pequenas ondas que cruzavam a superfície esverdeada do rio, acabando por se despedaçarem umas nas outras e na margem. A temperatura era assim mascarada pelo ar em movimento. Quem estava exposto a estes elementos, não passava despercebido ao que acontecia no rio. Um indivíduo envergando um colete, calças, na cabeça um chapéu tradicional marroquino, óculos de sol no rosto não parava de se exibir em cima de uma pequena prancha, (...)
01.Abr.20

Tenho saudades

historiasabeirario
  A charneca por onde a biblioteca ambulante desenvolve a sua missão, rolando nas estradas estreitas, sinuosas, de subidas íngremes, de descidas aceleradas, nesta altura estão cheias de plantas silvestres no auge da floração, onde se destacam as  flores brancas das estevas que se multiplicam aos milhares no território das viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. O seu aroma é doce e a cor branca faz lembrar a neve que por aqui nunca se vê. Esta planta tem (...)
11.Fev.20

Ansiosas do fim dos enredos

historiasabeirario
  As águas de uma das muitas extensões do rio Zêzere beijam os alicerces das casas no lugar de Sentieiras do Souto, o viajante das viagens e andanças na biblioteca ambulante, ao atravessar a rua estreita e mais importante quase molha a mão quando estende o braço. O rio fica para trás com as suas histórias, as outras continuam na subida íngreme na direcção da aldeia das Fontes. Altaneira de gentes simpáticas, situada defronte do rio, onde este  se deforma, engordando (...)
18.Jan.20

O rio

historiasabeirario
  Fui ver o rio, e o rio disse-me que estava arrepiado. Há muito tempo, leu uma história que lhe meteu medo. Foi de manhã cedo, o sol ainda não havia acordado. Ficou revoltado, na aldeia não acontecia alegria, as casas da aldeia estão vazias, não há cortesias, há melancolia. Tinha saudades do verão, das novidades que trarão, das pessoas novas que virão, na união dos que cá estão com os emigrados, os desconhecidos. Dos mergulhos, das brincadeiras, companheiras das manhãs, (...)
07.Nov.19

As histórias podem esperar

historiasabeirario
      Na aldeia do Souto só o ruído proveniente dos ramos das árvores impelidos com violência pelo sopro do vento se ouve. Nem de perto, nem de longe se vê alguém, quem transita pelas ruas da aldeia, como a biblioteca ambulante, devagar, com o viajente das viagens e andanças a olhar de um lado para o outro, sondando. Um caçador de leitores, perscrutando ruelas, as quinas, os recantos da povoação,  percebendo que o frio desta vez vai ganhar, ainda por cima, uma massa (...)
07.Nov.19

O frio o personagem principal

historiasabeirario
O sol ainda tentou, mas o enfraquecimento da temperatura sente-se nos ossos, é o frio o personagem principal do dia e das histórias de hoje, nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Pelo menos o viajante das viagens e andanças foi às gavetas do vestuário de inverno escolher uma camisola que o possa agasalhar mais logo, quando rumar para as aldeias do Souto e Fontes. Situadas em relevos altaneiros, observando o rio Zêzere com orgulho, estas aldeias com (...)
11.Out.19

A ruralidade da sua terra

historiasabeirario
  As viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, estão na estrada em direcção à aldeia da Bairrada. Empinada sobre o rio Zêzere, observatório natural de uma grande extensão, o rio, a floresta, interrompida por minúsculas manchas espalhadas de cores alanrajadas. Telhados de pequenas casas edificadas, misturadas com as árvores, segundas habitações, lares permanentes, acessíveis por caminhos estreitos e irregulares. Lugares recompensadores, de independência, (...)
09.Set.19

Que continuem sempre a voltar

historiasabeirario
  A exagerada frescura matinal surpreendeu o viajante das viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, camisa sem mangas e bermudas, nada de mais para um dia de verão, no interior da biblioteca ambulante. No horizonte grossas nuvens surgem coagindo a vista a olhar mais que uma vez, com atenção para tais colossos. Na Aldeia do Mato esta voluntariedade da atmosfera puxou os aldeões de suas casas para as ruas, as hortas são esmiuçadas com exatidão, sendo as (...)