Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

06.Fev.20

São estrelas na aldeia que as recebe

historiasabeirario
  A aldeia de Sentieiras fica localizada num declive acentuado, onde as suas casas arriscam a altura ao longo do mesmo. Aqui também há quem se atreva a ler histórias, ou melhor, existem leitores, e sempre que a biblioteca ambulante estaciona junto do Mercadinho da Fonte, trazem e levam histórias. É o ponto de encontro destas pesoas e local de paragem para quem por aqui passa, seja em trabalho, ou lazer. A biblioteca ambulante não é diferente dos outros todos, e sempre que alcança (...)
16.Jan.20

Pode acontecer a qualquer momento

historiasabeirario
  Já chove na aldeia dos Casais de Revelhos, os leitores não surgem, as histórias não saem, assim transita a biblioteca ambulante nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Mais um pouco, a partida para a aldeia de Sentieiras pode acontecer a qualquer momento, na estrada a noite cai repentinamente, a ter necessidade de ligar os faróis, com isso tornar mais visível as histórias perante os outros que circulam no sentido contrário. Na aldeia a chuva ganha (...)
16.Jan.20

A biblioteca ambulante é uma nuvem cheia

historiasabeirario
  A biblioteca ambulante hoje nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, pairará nas asas do vento. As histórias soltarão as letras quando as folhas empurradas pelo sopro violento se abrirão, serão espalhadas palavras pelas aldeias dos Casais de Revelhos e Sentieiras. Transformam-se em e-books naturais, as histórias serão visualizadas através do ar em movimento, só não lê quem não quer. Da biblioteca ambulante, um cone de vento propaga as histórias, (...)
24.Set.19

Levando a demasiadas palavras e a coisa nenhuma

historiasabeirario
Retornar á aldeia de Sentieiras na biblioteca ambulante, percorrer a estrada ziguezangueante, descer vertiginosamente os últimos metros, estacionar junto do Mercadinho da Fonte, é sempre motivante. Depois de beber um café, deixar á disposição o jornal A Bola, as falas rumam na direcção do jogo da noite anterior, entre o Sporting e o Famalicão. Como sportinguista ouvi comentários trocistas, a rivalidade saudável dos adeptos das agremiações da 2ª circular é por demais (...)
09.Jul.19

O estado de leitura energizante

historiasabeirario
O sol na aldeia de Sentieiras mostra-se muito atrevido, a meio da manhã os seus braços abraçam fortemente o território das viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. Ao redor da aldeia  continuam as limpezas dos terrenos encostados ás habitações, o mato e árvores são dizimados por potentes moto-serras cegas de ira, têm momentos de total desprezo por plantas e árvores, referências de tanta gente, de gerações. O processo continua com outras máquinas de (...)
08.Mai.19

Completos de sustento

historiasabeirario
É impressionante, quase arremessa ao escandaloso como não posso aceder a rede móvel na biblioteca ambulante. Tenho dias em que é preciso muito ânimo para avançar, privado da ferramenta de trabalho, de escrever pensamentos e descrições das viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. São as pessoas remotas que me empurram, hoje por exemplo, improviso um rascunho numa folha de papel, não ingresso no módulo de empréstimos derivado á inépcia das (...)
26.Mar.19

À boleia do vento

historiasabeirario
    O sopro violento do vento traz estardalhaços, reflexos, palavras, histórias boas e más de acontecimentos. A impetuosidade revolta o cabelo de quem anda na rua, acorda quem tem o sono leve, faz voar a biblioteca ambulante nas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra. O céu embaciado por uma débil camada de nuvens impede os raios solares de fulminar os aldeões na aldeia de Sentieiras. Nas charnecas, as plantas silvestres descaradas revelam as flores, a (...)