Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Texto da tetra 10

IMG_20200203_111019.jpg

No final de domingo, numa noite não muito fria a abertura dos noticiários nas televisões tiveram como assunto a chegada dos repatriados e possíveis infectados com o corona virús, na China na cidade de Wuhan. Ambiente alvoroçado entre os jornalistas perante a possibilidade de se aproximarem cada vez mais do local de aterragem do avião militar na Base Aérea de Figo Maduro. O mesmo acontecia no centro de Lisboa no ministério da saúde com a hora da chegada, nesse exacto momento, membros do governo, incluíndo a ministra tutelar, com a directora Geral da Saúde iniciariam uma conferência de imprensa.Também aqui os jornalistas disputavam o melhor lugar para as entrevistas e captação de imagens fotográficas e televisivas. Após a aterragem do C130 da Força Aérea, foi visível o cortejo de sumptuosas viaturas do SNS em direcção da aeronave, logo atrás muitas ambulâncias. Os ocupantes destes veículos adquiridos com recursos financeiros do país, vestiam umas batas e tinham o rosto coberto por máscaras, aparentavam estar deslocados da missão para a qual foram convocados, nomeadamente com a obrigatoriedade de usarem todos aqueles acessórios de segurança. Com outra aparência, os militares percorriam a área com normalidade pois não é a primeira vez estarem expostos a situações de perigo. Regressamos uns anos atrás, quando estes casos eram rotulados de " Ficheiros Secretos " com agências governamentais a disputarem as investigações, onde se destacaram os agentes Fox Mulder e Dana Scully, James Bond, Gabriel Allon, Ethan Hunt nas suas missões impossíveis. Em Portugal, Tomás Noronha e o inspector da Polícia Judiciária Jaime Ramos, que nunca recusaram um envolvimento destas circunstâncias. Jaime Ramos há pouco tempo vindo da China, mais propriamente de Pequim, o seu passado buliçoso fê-lo viajar em busca de pedras soltas, mas será que foi só isso? Que organização terrorista ou governamental colocou o coronavirús no mercado de Wuhan, capital da província de Hubei com o intuito de criar uma epidemia e tentar causar a sua propagação a todo o globo terrestre? Qual a explicação  para a omissão da identidade destes passageiros dissimulados por detrás das mascáras? Estas e outras questões voltam a colocar a cidade de Lisboa setenta e cinco anos depois no itinerário dos agentes secretos e espiões.

4 comentários

Comentar post