Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

Histórias à Beira Rio, viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra

"Afinal, a memória não é um acto de vontade. É uma coisa que acontece à revelia de nós próprios." Paulo Auster

03.Abr.20

Um carregador de informação

12928121_10205938173321615_8776660950808636598_n.j

A névoa rasteira e cerrada, provoca no início do dia uma incógnita do que nos aguardará no resto das nossas vidas. Um enigma que perdurará nos próximos tempos que aí vêm, onde andarão, como estarão, os leitores da biblioteca ambulante? A solidão tomou conta deles por não possuírem histórias novas? Pelo experiência de variadas viagens e andanças com letras pelas aldeias da minha terra, o afastamento é há muito tempo a companhia mais assídua, embora a biblioteca ambulante continue a assinalar as suas existências. Há outros que continuam presencialmente, a padeira todos os dias, o peixeiro, o merceeiro, o açougueiro com dias próprios. A tristeza invade-me por não poder ser um deles, na minha teimosia continuava a levar histórias, um carregador de informação para lá e para cá. Permanecia na linha da frente, assim como estão todos os outros que são necessários, as histórias são como o pão, matam a fome de ter conhecimento. Matam a solidão, anulam o assunto mais comentado nos dias de hoje, quando lidas com prazer, viajamos personificando os seus personagens. A leitura da  minha história e a da biblioteca ambulante parou na página 13, a meio do capítulo de março.